sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Em 2012 muitas novidades... Aguardem!

Um comentário:

stefan disse...

NÃO EXISTE CATÓLICO MAÇON, MAS MAÇON QUE SE DIZ CATÓLICO

A maçonaria pertence às sociedades secretas de origens antiquíssimas, dos tempos do Egito, Babilônia e da cabalística judaica, particularmente de judeus, de tendências também ocultista, materialista e atéia, portanto arquiinimiga da Igreja. A constituição atual data de 1723, promulgada pelo protestante J Anderson; pretendia derrubar nos tempos da Revolução Francesa a monarquia e a Igreja, instaurando um reino que possui semelhanças com a Nova Era-NWO, em que o homem se ilumina e transcende-se, possuindo condenação formal do S Padre Clemente VII já em 1738, sequencial e unanimente, inclusive pelo S Padre Bento XVI, ratificada em 17/02/81 pela CDF, impondo sobre os católicos exclusão automática da Igreja sob qualquer associação ou participação em suas assembléias e cultos - cânon n° 2335 - por haver incompatibilidades doutrinárias constrastantes.

A maçonaria insinua um exacerbado panteísmo, outrossim, um deísmo subjetivista. Trata-se de uma doutrina relativista, ultra racionalista, admitindo apenas proposições admitidas pelo empirismo científico e historiadores apresentam ainda liames com o protestantismo, socialismo-comunismo e Nova Era-NWO - paradoxo com a fé católica transcendente que crê em nova vida, ressurreição da carne, futuro novo aos que morrerem em Cristo, para a eternidade.
Inadmite a Verdade Única, Deus, mas um outro - Grande Arquiteto Universal - G.A.D.U., de modo vago, subjetivo, e há desacertos quanto à cosmologia: a visão do mundo deles não é unitária, idem relativista e subjetiva.
Nesses casos, sua doutrina diverge com a Igreja idem por admissão de crenças secretas aproximadas à Nova Era-NWO - supermercado de religiões ocultistas à escolha do cliente - assim como se incluir algo na diversidade espiritista, umbandista, candomblecista, mediúnica e em suas extensas ramificações esotéricas.

Há, por outro lado, correlação com uma gama de seitas e religiões orientais holísticas de meditações transcendentais como a Yoga, Seicho-no-ie etc., em que se configuram panteísmo e deísmo subjetivistas exacerbados que, por meio de práticas transcendentais apropriadas, as pessoas realizam-se plenamente, incompatibilizando-as idem.

Convém notar que nessas práticas religiosas apresentadas o homem auto liberta-se, embora se pautem em itinerários, cultos e doutrinas com suas peculiaridades, desembocam ao final num mesmo local: nas extensas ramificações esotéricas em suas diversidades, constituindo-as por isso vinculadas ao satanismo.

Juntar-se a essa denominação tida pela Igreja como "Sinagoga de Satanás", apenas por aderir sob qualquer pretexto o católico apostasia-se, associando-se ao mesmo Satanás.