terça-feira, 20 de setembro de 2011

Pe. Inácio José do Vale - 2017 Promete.

Santa Rita de Cássia morreu em 1457, em 2017, vai completar 560 anos de falecimento. A Santa das causas impossíveis.
Santa Teresinha do Menino Jesus morreu em 1897, em 2017 vai completar 120 anos de falecimento. A Santa da Novena das Rosas, Doutora da Igreja e Padroeira das Missões.
Santa Francisca Xavier Cabrini morreu em 1917, em 2017 vai completar 100 de falecimento. A Santa fundadora do Instituto das Missionárias do Sagrado Coração de Jesus. Fundou 67 casas na Itália, França, nas Américas e no Brasil. Foi ao encontro de Cristo aos 67 anos de idade.
Santa Josefina Bakhita morreu em 1947, em 2017 vai completar 70 anos de falecimento. A santa sudanesa da humildade.
A primeira Encíclica sobre o Espírito Santo do Papa Leão XIII foi de 1897, em 2017, 120 anos desse grande documento realizado a pedido da Beata Elena Guerra. A Apóstola do Espírito Santo. A promotora da renovação carismática católica.
Em 1947, a primeira conferência pentecostal de cooperação mundial em Zurique, em 2017, 70 anos dessa conferência evangelística protestante.
Em 2017, vamos comemorar os 300 anos da Padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida (1717).
Vamos festejar os 100 de Nossa Senhora de Fátima (1917).
Os 90 anos de nascimento do Papa Bento XVI (1927).
Os 50 anos da Renovação Carismática Católica (1967).
Os 500 anos da Reforma Protestante (1517).
Amor, unidade, comunhão, ecumenismo, paz, justiça e a glória à Santíssima Trindade, é a tônica do nosso trabalho na fé e na graça pelo clamor do colossal “reavivamento” para sarar essa terrível crise que se vive hoje em todos os sentidos: individual, familiar, eclesial e social.
Aguardamos o surpreendente renovo do Espírito Santo. Essa plenitude renovada já acontece silenciosamente e progressiva em muitos corações e grupos.
“Eis que vou fazer uma coisa nova. O povo que formei para mim proclamará o meu louvor” (Is 43, 18.21).

GEMATRIA
A gematria é o método hermenêutico de análise de palavras, atribuindo um valor numérico definido a cada letra.
Pessoas, objetos e lugares são correspondentes a número e são revelados pelo estudo da gematria.


O filósofo grego e considerado o pai da matemática Pitágoras (c.571-c. 497 a.C.) afirmou: “Todos as coisas são números”. Disse mais: “A evolução é a lei da vida. O número é a lei do universo, a unidade é a lei de Deus”.


Os números, sinais e o silêncio são comunicações de mistérios.

SETE: O NÚMERO DA PLENITUDE
O livro de Apocalipse é composto ao redor do simbolismo do número sete. Há sete cartas para as sete igrejas, caps. 1-3. Sete selos e sete trombetas, caps. 4-11. Sete taças, caps. 15 e 16. Sete candeeiros, 1,12.20. Sete estrelas, 1,20. Sete Espíritos, 1,4. Um cordeiro com sete chifres e sete olhos, 5,6. Sete tochas, 4,5. Sete trovões, 10,3.4. Um dragão vermelho com sete cabeças e sete diademas, 12,3. A besta semelhante a leopardo, com sete cabeças, 13,1-2. A besta escarlate, com sete cabeças e dez chifres, 17,3.7. Sete montes, 17,9. Sete reis, 17,9-10.
O número sete se destaca em todas as partes da Bíblia Sagrada. O sábado era o sétimo dia. O sistema levítico do Antigo Testamento alicerçava-se num ciclo de multiplicados de sete, ver notas sobre Levítico cap. 25.


Jericó caiu depois de sete sacerdotes, com sete trombetas, terem marchado ao redor da cidade durante sete dias, e, no sétimo dia, terem marchado sete vezes e tocado sete vezes suas trombetas, Josué cap.8. Naamã tinha que se banhar sete vezes no Rio Jordão, 2 Reis cap.5.


A Sagrada Escritura começa com sete dias da criação, e termina com um Livro acerca do destino final do universo, escrito em símbolos sete.
Sete é um número favorito na criação: há sete dias na semana. Sete notas na música. Sete cores no arco-íris.
Sendo empregado tão frequentemente na Bíblia, o número sete tem um valor simbólico além do seu valor meramente numérico. Pensa-se que seu valor simbólico é representar coisas completas, plenitudes, unidade, totalidade.
As sete bem-aventuranças do Apocalipse. Se este grupo de sete foi proposital, ou se aconteceu vir a ser de sete, não sabemos.


Bem-aventurados os que leem esta profecia, 1,3.
Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor, 14,13.
Bem-aventurados aqueles que vigiam (pela vinda do Senhor), 16,15.
Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro, 19,9.
Bem-aventurado é aquele que tem parte na primeira ressurreição, 20,6.
Bem-aventurado aquele que guarda as palavras deste livro, 22,7.
Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras, 22,14.
Significação dos números. Certos números são usados com tanta frequência que parece evidente a intenção de fazê-los falar uma linguagem própria, tendo sentido à parte do seu valor numérico. (Cf. Ap. 13,17.18).


Oremos para que possamos viver na iluminação dos sete dons do Divino Espírito Santo.
“Vede, pois, cuidadosamente como andais: não como todos, mas como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. E não vos embriagueis com o vinho, que é uma porta para a devassidão, mas buscai a PLENITUDE DO ESPÍRITO” (Ef 5,15-18).
Que haja discernimento: vivemos os últimos tempos. É o tempo de graça dos sábios, dos santos e dos renovados pelo poder do amor e do Espírito Santo!



PARA PENSAR MAIS...  
Os manuscritos do mar Morto, encontrados em 1947.
Aos 26 de junho de 1967, aos 47 anos de idade, o Beato João Paulo II foi nomeado Cardeal pelo Papa Paulo VI.
Madre Teresa de Calcutá faleceu aos 87, em 1997.


Pe. Inácio José do Vale
Professor de História da Igreja
Especialista em Ciência Social da Religião
E-mail: pe.inaciojose.osbm@hotmail.com



Nenhum comentário: