segunda-feira, 11 de abril de 2011

Padre Leonardo Holtz em entrevista exclusiva ao Fratres in Unum.

Primeiramente, padre Leonardo, muito obrigado por ter aceitado o nosso convite. Por favor, apresente-se aos nossos leitores.
Padre Leonardo Holtz
Padre Leonardo Holtz
Bem, eu me chamo Padre Leonardo Holtz Peixoto. Nasci no Rio de Janeiro, na Rua do Bispo, aos 11 dias do mês de fevereiro de 1980. Fui criado no subúrbio do Rio, no bairro de Inhaúma e freqüentei a Paróquia de São Tiago. Lá recebi os sacramentos da iniciação cristã e também comecei a descobrir a minha vocação.

Conte-nos como o senhor discerniu a sua vocação e como foi a sua entrada no seminário.
Eu devia ter uns 13 anos de idade e fui com minha família participar de um retiro de carnaval da RCC – Renovação Carismática Católica – pregado pelo Mons. Jonas Abib no Maracanãzinho. Contudo, o início do meu chamado vocacional NADA teve a ver nem com a RCC nem com a pregação do Mons. Jonas Abib, mas com uma solene bênção do Santíssimo Sacramento que houve por lá. Lembro-me que eu estava nas arquibancadas do ginásio, quando o Santíssimo Sacramento passou em procissão, sob o pálio, acompanhado de carrilhões, velas, muito incenso e um magnífico cortejo. Quando dei por mim, estava já chorando e de joelhos. Digo sempre que minha vocação começou pela EUCARISTIA.
Como era o ambiente do seu seminário diocesano?
O ambiente do seminário era bem diversificado, como já se podia esperar de um lugar com tantos candidatos de lugares e formação diferentes. Havia seminaristas mais e menos piedosos. A disciplina do seminário não era de todo má. Contudo, o comportamento de alguns era inaceitável para um cristão, especialmente se esse cristão almejava algo tão sublime como o sacerdócio. Algumas vezes surgiam algumas conversas e atitudes impróprias por parte dos seminaristas, mas nenhuma medida mais enérgica era tomada. Por diversas vezes eu era tido como “anti-social” por ficar recluso na minha cela e não querer participar de tais momentos.
A semana de oração pela unidade dos cristãos era algo que me revoltava dentro do seminário. Não entendia como se podia chamar os hereges protestantes para pregar dentro de um seminário católico.
E o interesse pela Tradição da Igreja, como surgiu?
Surgiu na biblioteca do seminário. Descobri uma sessão de livros antigos na biblioteca que me causaram interesse. Um em particular: um livro vermelho e grande, com o título “Missale Romanum” na lombada. Havia também breviários e rituais romanos. Infelizmente, quando alguém percebeu esse interesse pelos livros antigos, fui proibido de retirá-los da biblioteca. Mas eu ainda poderia consultá-los na própria biblioteca. Foi aí que um dia, quando cheguei à biblioteca, toda a estante havia desaparecido sob o “pretexto” de um vazamento que, curiosamente, apareceu exatamente sobre a estante dos livros tradicionais.
Havia outros dois colegas de seminário que se interessavam pela tradição. Nós três rezávamos, às vezes, escondidos, o ofício de completas no rito de S. Pio V à noite. Um desses colegas era o Padre Fábio Calixto da FSSPX. O outro, pouco tempo depois, escandalizado, saiu do seminário.
Quando o senhor assistiu pela primeira vez a Santa Missa Tradicional? Conte-nos também quando foi a primeira vez que o senhor a celebrou.
A primeiríssima Missa de Sempre que assisti, foi na igreja do Outeiro da Glória, no aniversário de Sua Alteza imperial e Real, o príncipe Dom Luis de Orleans e Bragança, celebrada pelo Reverendo e finado Padre Hélio Buck Júnior. A primeira Missa Tradicional que celebrei foi 4 dias depois de minha Ordenação Sacerdotal, na casa dos irmãos da Toca de Assis em Madureira. Eu já vinha treinando como diácono sozinho em casa.
O senhor teve contato com outros institutos tradicionais, tendo ainda como seminarista procurado a recém erigida Administração Apostólica. Como foi esta experiência?
Sim, tive contato com a Administração Apostólica e também com o IBP (Institut du Bon Pasteur). Quando diácono, em 2002, estive presente à Sagração de Dom Rifan. Logo após, fui visitá-lo e pedi ingresso na Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney. Dom Rifan na ocasião me disse que era melhor eu continuar na Arquidiocese do Rio, pois eu podia fazer um bom apostolado por lá e ser uma influência tradicional em meio ao clero carioca. Francamente, não entendi como ele podia ter rejeitado um futuro padre tradicional, já que havia tão poucos, e que era tão difícil conservar a tradição em meio ao modernismo.
Quanto ao IBP, foi no ano de 2007 que eu implantei a Missa de Sempre na paróquia onde eu era pároco – São Judas Tadeu – no bairro de Senador Vasconcellos. É claro que é uma ilusão achar que a Missa de Sempre pode conviver pacificamente com a missa nova; chega uma hora que os abusos da missa nova se contrastam com o esplendor da Missa de Sempre. Foi nesse momento que, sob muita pressão, resolvi pedir ao Cardeal Dom Eusébio para deixar a paróquia e ir para o IBP. O Cardeal concedeu e, então, viajei para São Paulo.
Outra decepção…?
Sim, outra decepção! E não podia ser diferente do jeito como o IBP nasceu. O IBP é fruto do êxodo de alguns padres da FSSPX. Às vezes, de dentro, eu percebia no IBP uma preocupação maior em criticar a FSSPX do que promover a Missa de Sempre. Outra relação delicada em São Paulo era a relação Montfort-IBP. Em parte deixei São Paulo por não concordar com a demasiada influência da Montfort na casa onde o IBP residia. Também notava que a função do sacerdote ali era ser “máquina” de sacramentos.
Como era a sua vida de padre diocesano, tendo já conhecido os tesouros da Igreja mas ainda obrigado a celebrar o Novus Ordo Missae?
Esse era um verdadeiro dilema! Por um lado havia a consciência de que eu era um pároco de uma diocese progressista, numa paróquia progressista e com pensamentos que iam contra tudo o que se pensava na diocese. Era uma verdadeira “ginástica” para ensinar a tradição, num meio modernista sem ser demasiado modernista. Algumas vezes eu tive que fazer concessões (como, por exemplo, o Cerco de Jericó), afinal, se quisermos fazer a tradição ser amada e conhecida, não a podemos impor, mas sim anunciá-la paulatinamente.
O senhor chegou a expressar suas convicções e perplexidades aos seus superiores, pedindo esclarecimentos e atitudes? E como elas foram recebidas?
Sim. Escrevi cartas tanto a Dom Eusébio como a Dom Orani, e também tivemos colóquios pessoais. Dom Eusébio não recebeu muito bem, mas já Dom Orani, foi muito paternal e acolheu muitíssimo bem. Na verdade, nada me faz mudar de idéia de que Dom Orani SEMPRE esteve muito bem intencionado, contudo, cercado das pessoas erradas.
E o que especificamente o levou a optar pela Fraternidade de São Pio X?
Primeiramente pela minha veneração desde os tempos de seminarista à pessoa de Mons. Marcel Lefébvre. Inclusive, alguns colegas de turma me apelidaram de “Lefébvre” no seminário. Mas, o real motivo foi que ao analisar as posturas da Administração Apostólica, do IBP, do Instituto Cristo Rei e da FSSP (Fraternidade Sacerdotal São Pedro), percebi que não há como manter a tradição da Igreja hoje, a não ser na FSSPX. A grande realidade é que não há como dialogar com o modernismo. Todos os que tentaram ficar na dita “legalidade” foram amordaçados e não preservaram a fé e a doutrina. Afinal, não celebramos a Missa de Sempre apenas por uma questão estética ou como uma das muitas opções válidas, mas porque cremos firmemente que a Missa Tradicional é uma autêntica profissão da fé católica.
Quem mais o auxiliou nesse itinerário de pedido de ingresso na Fraternidade?
Capela de São Sebastião em Arraial Novo.
Capela de São Sebastião em Arraial Novo.
Primeiramente, aquele meu amigo de seminário que foi para a FSSPX, o Padre Calixto, sempre que vinha de férias na casa da família, no Rio, ia me visitar. Certa vez ele me convidou a ir conhecer a capela de Dom Lourenço, em Niterói e eu fui. Mas efetivamente, todo esse movimento em direção à FSSPX começou incrivelmente pelo meu finado Orkut. Ali eu postava minhas fotos e meus pensamentos tradicionais. E não hesitava em dizer o que era preciso e não o que as pessoas gostam de ouvir. Atraía diariamente muitos ‘scraps’, alguns de crítica e outros de incentivo. Um jovem de Rondônia certa vez me deixou o seguinte recado: “Padre, acho que encontrei uns primos seus e são todos da Tradição. Vou verificar e falo para o senhor depois”. Ele verificou e era verdade. Eu fiquei encantado! São os fiéis de Arraial Novo, em Bom Jesus do Itabapoana, estado do Rio. Essa comunidade é atendida pelos padres da FSSPX de São Paulo e pelos Monges do Mosteiro da Santa Cruz, em Nova Friburgo.
Quando Dom Tomás de Aquino, prior do mosteiro, ficou sabendo de um padre que desejava ser tradicional no Rio de Janeiro, apareceu na minha casa no Rio para uma visita. E assim, continuamos em contato. Uma semana antes da visita de Dom Tomás, recebi com alegria o telefonema do Padre Rodolfo Eccard, da FSSPX, que desejava ir conversar comigo. Ele foi até minha paróquia, onde conversamos e, depois, almoçamos juntos.
Depois disso estive uma vez em Niterói, onde conversei e almocei com o padre Rodolfo e com Dom Lourenço. Na semana seguinte, recebi em casa a visita do padre Daniel Maret, que estava impressionado com minha história e me convidou para a FSSPX. Em julho do ano passado, passei uma semana no Mosteiro da Santa Cruz, onde fiz um retiro espiritual.
O senhor esteve em La Reja. Conte-nos mais sobre o ambiente que o senhor encontrou por lá.
Bem, encontrei o seminário que eu imaginara nos meus sonhos – uma capela digníssima e jardins celestiais. Um ambiente alegre e descontraído e, ao mesmo tempo, sério e piedoso. Infelizmente, muita gente pensa que para ser “tradicionalista” a gente tem que ficar de cara séria e andar duro feito um robô. Queremos conservar a tradição, não ser Arautos do Evangelho!
Os padres possuem uma serenidade – a serenidade de quem tem a consciência tranqüila diante de Nosso Senhor, por estar transmitindo a VERDADE que Ele nos ensinou. Os bispos, Dom Tissier e Dom Galarreta são uma simpatia. A simplicidade e a firmeza de Dom Tissier encanta; a elegância, a nobreza e a humildade de Dom Galarreta é o que todos esperam ver num prelado da Igreja. É ele quem serve os padres à mesa de refeição!
Qual foi a reação dos seus paroquianos e irmãos sacerdotes quando o senhor anunciou que deixaria a paróquia e até mesmo a diocese para procurar a  FSSPX?
Os paroquianos ficaram tristes. Pelo menos foi o que a maioria me disse (risos). O que me foi dito de forma quase unânime foi: “sentiremos falta dos seus sermões e dos seus ensinamentos (catecismo)”. Quanto aos padres, nem se aperceberam, pois como eu tratei direto com Dom Orani, creio que eles tenham sabido por agora.
Após o anúncio, o senhor teve um longo encontro com Dom Orani, que lhe fez uma proposta “tentadora”. Em que ela consistia?
Consistia em permanecer no Rio de Janeiro e conservar a liturgia e a doutrina tradicionais. Eu estaria desobrigado a celebrar a missa nova ou concelebrá-la; mesmo nas cerimônias da Catedral ou dos retiros do clero. Estaria desobrigado de ministrar qualquer sacramento conforme os novos rituais; poderia rezar oBreviarium Romanum no lugar da Liturgia Horarum; teria uma capelania EXCLUSIVA para executar o meu apostolado tradicional no Rio de Janeiro e não estaria obrigado a aceitar a Campanha da Fraternidade ou qualquer outra iniciativa comunista, marxista etc.
Todavia, tudo não passou de palavras e o senhor não conseguiu colocar em prática aquilo que lhe fora assegurado. Conte-nos como isso ocorreu.
Como já disse aqui anteriormente, não creio que Dom Orani agiu de má fé. Ele é um homem bom, de princípios. Ele teve realmente intenção de ajudar. Inúmeras vezes me enviava mensagens de SMS para o celular, preocupado com a minha situação, o que era coisa inédita para mim. Sempre os bispos se colocavam em “pedestais” e eram quase intocáveis. De repente, aparece um bispo que tem o meu celular e eu o dele e que nos comunicamos facilmente por SMS! Infelizmente, não sei que conversas surgiram “ao pé do ouvido”. A impressão que eu tive é que tinham medo de que se eu, com meu pensamento tradicional, ficasse sozinho numa igreja própria, pudesse “abrir os olhos” de muitos fiéis para a verdade e isso causaria um grande “barulho” não só na diocese do Rio, mas no Brasil. Então, para me “moderar”, fui enviado a uma igreja onde já havia uma missa nova e uma celebração da palavra com um diácono permanente diariamente. Sobre o convívio do Novus Ordo com a Missa de S. Pio V, já manifestei minha opinião acima.
A igreja só funcionava de segunda à sexta-feira e fechava às 15h todo dia. O horário que me foi dado para celebrar era às 10 da manhã, impossível para quem trabalha ou estuda. Esse arranjo pareceu-me uma coisa matematicamente feita para desestimular paulatinamente.
Alguns acusaram-lhe de “abandonar a primeira paróquia pessoal do Brasil” — embora ela nunca tenha existido, sendo apenas um projeto — e de tomar decisões abruptas, como sua partida do Instituto do Bom Pastor, em São Paulo… Como o senhor responde a essas afirmações?
Foi bom você mencionar isso. Tal acusação infundada foi feita no sítio da Associação Cultural Montfort. Pessoalmente enviei uma réplica ao seu novo presidente, o Sr. Alberto Zucchi, mas, infelizmente, não foi, até o presente momento, postado meu comentário.
Primeiramente, a paróquia pessoal, como você bem disse, NUNCA existiu. E, na verdade, não havia um projeto de paróquia pessoal. Pelo menos, não num primeiro momento, mas de uma capelania ou reitoria exclusiva. Essa “paróquia pessoal”, no meu entender viria com o tempo de acordo com o crescimento da comunidade tradicional carioca.
Em segundo lugar, por “abrupto” eu entendo “de repente”, e isso é uma inverdade! Em nenhuma das duas ocasiões, como já mencionei aqui, deixei a arquidiocese abruptamente: na primeira, tive o pleno aval do Sr. Cardeal e desta última, já expus acima que escrevi uma longa carta e, posteriormente, tive uma longa conversa com Dom Orani. O que há de “abrupto” nisso? Quanto à minha saída dita “repentina” de São Paulo, para regressar ao Rio, isso também é, não só uma inverdade como uma injustiça, visto que eu conversei sobre esse assunto com o Prof. Orlando Fedeli. Eu não tinha condições psicológicas de continuar naquele lugar. Não concordava com suas posições, dependia deles materialmente e não tinha com quem desabafar. Fiquei numa angústia tão grande que tive uma paralisia no braço e na mão direita, por causa do sistema nervoso. Foi graças à generosidade do Sr. Stacciarini, que me levou ao hospital e pagou os meus medicamentos, que fui melhorando.
Muitos católicos esperam por tempos melhores, em que padres diocesanos efetivamente amem a Tradição e façam de suas paróquias núcleos fervorosos da verdadeira Fé. Alguns fiéis tradicionais do Rio lamentam o fato do senhor não ter oferecido a Missa Tradicional em sua paróquia ao menos aos domingos e dias de guarda, ainda que uma decisão posterior viesse a ser tomada em favor da opção exclusiva pelo rito antigo. Na qualidade de pároco, quais os maiores obstáculos que o impediram de transformar sua paróquia em uma referência nesse sentido?
Já mencionei aqui a minha experiência na Paróquia de São Judas Tadeu, na Zona Oeste do Rio, onde, como pároco, implantei a Missa Tradicional todos os Domingos. Foi justamente o choque que entre os dois ritos que me fez deixar a paróquia. Não quis repetir o mesmo fato na Paróquia Bom Pastor. Alguns poderão dizer que foi por respeito humano ou qualquer coisa similar, mas “quem estiver sem pecado, atire a primeira pedra” (Jo 8,7)
Muitos padres diocesanos hoje em dia reclamam da clericalização dos leigos e dizem até que eles mandam na paróquia. O padre seria apenas um dispensador de sacramentos enquanto os movimentos e pastorais seriam administrados por seus próprios coordenadores. O senhor sentiu isso na pele?
Sim e não! Tudo depende de como o padre se posiciona frente aos seus fiéis. Se o padre adotar a postura de um leigo e não fizer o que precisa ser feito, aí sim os leigos dominam. Sempre deixei claro isso em minhas duas paróquias. Várias vezes eu disse nas reuniões de conselho paroquial: “A Igreja não é, não foi e, no que depender de mim, jamais será democrática. Ela é hierárquica!”
Chegando agora à Fraternidade, como o senhor encara as discussões teológicas em andamento? É possível ter esperanças de um bom termo?
Com relação a isso, meu pensamento é o mesmo com relação ao Ecumenismo: só entendo o ecumenismo se for com a intenção de converter os hereges e chamá-los à verdadeira fé, assim, só aceito o “diálogo”, se for para abrir os olhos do progressismo e chamá-los à verdadeira doutrina. Caso contrário, tal diálogo não passa de um “chá das cinco”.
Enfim, Padre, antes de ser formalmente aceito como membro da FSSPX, o senhor passará por algum período de experiência? Quais são os planos para o futuro?
Bem, francamente, ainda não pensei muito sobre isso (risos). Estou num momento tão bom que nem pensei nisso. Todos estão dizendo que fiquei notoriamente mais “feliz”. De fato, parece que um pesado fardo me foi retirado das costas. Com relação ao futuro, prefiro não planejar, mas deixar nas mãos de Nosso Senhor. Afinal, foi Ele que me conduziu até aqui; Ele sabe o que faz.
Que mensagem final o senhor daria aos leitores do Fratres in Unum?
Aprendi na Teologia que há uma ignorância vencível e uma ignorância invencível. Aos leitores do Fratres eu diria, que quando permanecemos na ignorância vencível, isto é, quando temos condições de ver a luz e segui-la, mas por comodismo ou qualquer outro motivo não a seguimos, somos culpáveis em juízo. Portanto, busquem a verdade e, encontrando-a, amem-na. “Buscai o Senhor, enquanto ele se deixa encontrar” (Is 55,6) Deus abençoe!


Nenhum comentário: