sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Email recebido: URGENTE, LEIA COM MUITA ATENÇÃO! É MUITO SÉRIO!

Recebi Repassar  ( é um pouco longo, mas vale a pena se inteirar do perigo iminente...)
Eleições 2010  22 Outubro 2010 FONTES    http://fimdostempos.net/     
                                  http://www.midiasemmascara.org/

Eleger essa gente para mais 4 anos de governo é premiar a deslealdade, a truculência, o total desapego à verdade e à democracia e dar o aval para a implantação de um regime socialista nos moldes de Cuba e Venezuela.
Chega de brincadeira, vamos falar a verdade!
Todos os dias somos bombardeados com as notícias das mais escabrosas sobre estas eleições. A última foi a agressão sofrida pelo candidato José Serra no Rio de Janeiro, perpetrada por militantes do PT.
Às favas aqueles que votam em Dilma, em Lula e no PT porque no país está circulando um dinheirinho a mais, e porque tem concursos públicos pra quem quer uma boquinha estatal!
Será que ainda não deu pra perceber que esse PT não está aí pra respeitar as regras do jogo democrático? A dissimulação desta gente beira o inacreditável e desestabiliza até os mais tranquilos. Usam e abusam impunemente da velha máxima leninista de acusar o adversário daquilo que eles mesmos fazem.
Eleger essa gente para mais 4 anos de governo é premiar a deslealdade, a truculência, o total desapego à verdade e à democracia e dar o aval para a implantação de um regime socialista nos moldes de Cuba e Venezuela.
Estou cansado de ouvir sobre os “grandes feitos” do Governo Lula, e me dói nos ouvidos quando dizem que esse sujeito já pode ser considerado o maior presidente que o país já teve.
Vejam que eles já se apropriaram de tudo de bom que foi feito no passado, retroagindo até a época de Getúlio Vargas. Não se assustem se aparecer algum petista atribuindo a independência do Brasil a algum antepassado distante do Lula… Tudo é possível na cabeça desse pessoal. Para eles a verdade não tem nenhuma importância, desde que ela esteja do seu lado. São capazes de transformar uma mentira em verdade só pra justificar seus atos criminosos. Pior: todos os atos criminosos por eles praticados são, na cabeça deles, justificáveis porque o fim (implantação de um regime socialista/comunista) é mais importante do que os meios utilizados para tanto.
Vou ser bem claro agora: prefiro muito mais um político que “somente” desvia uma verbinha de uma obra qualquer do que essa gente criminosa que tomou de assalto o Brasil. Justifico.
Eles não pretendem somente enriquecer às custas do Estado. O que eles querem é o poder total sobre todo o país, porque se acham capacitados para dizer o que é bom e o que é ruim para todo mundo. É a tal mentalidade revolucionária, que, levada ao paroxismo, produziu as maiores catástrofes humanas que se têm notícia, tais como a Revolução Francesa, o Nazismo, e o horrendo Comunismo na Rússia, China, Cambodja, Cuba e outros. Somando as pessoas mortas por esta gente que se diz defensora de uma ideia, chegamos à impressionante marca de 100 milhões de pessoas! Sendo 40 milhões na Rússia e 70 milhões na “democrática” China, que ainda conserva este regime genocida até os dias de hoje.
Além do mais, o político tradicional ainda é sensível à voz da sociedade, enquanto o petista só se submete às ordens do Partido e age, sempre com violência, por meio de sua raivosa militância
Repito: não me interessa tanto que o país esteja bem economicamente. Quero mais um país em que um cidadão possa ir e vir sem ser interpelado por um policial por portar um panfleto com mensagens anti-Dilma.
Quero mais um país em que o cidadão tenha respeitada a sua privacidade e não seja acusado por denunciar uma violência por ele sofrida.
Quero um pais em que o Estado não interfira em tudo na vida do cidadão (http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2010/07/projeto-de-lei-livra-criancas-de-palmadas-e-beliscoes.html)
Quero um país em que as pessoas se preocupem, pelo menos um pouco, com a situação da nação e não só com os ganhos pessoais que terão em caso de vitória deste ou daquele candidato.
Quero um país em que o Estado respeite a propriedade privada e que não financie “movimentos sociais” que têm como bandeira o ataque à propriedade rural
Quero um país em que o Presidente da República não seja contumaz em pregar o ódio entre ricos e pobres (Bolsa Família), brancos e negros (Cotas Raciais), homens e mulheres (defesa do aborto), homossexuais e heterossexuais (criminalização da homofobia), situação e oposição etc.
Parece que estamos no país imaginário do clássico livro “1984″ de George Orwell, onde a regra era o “duplipensar”, ou seja, falar uma coisa para dizer exatamente o contrário! “Fala-se em liberdade para matá-la, em democracia para destruí-la, em legalidade para negá-la na sua própria essência”, para usar as palavras de Carlos Lacerda. Recomendo esta leitura como de primeira necessidade para os dias atuais.
Já são vários os “manifestos” em favor da candidata do PT (universitários, advogados, servidores públicos, “intelectuais” etc). A única constante em todos eles é que são assinados por pessoas/categorias que sempre defendem a candidatura Dilma porque tiveram ou terão algum benefício direto com sua eleição ou são dominadas pela militância petista. Ou seja, a maioria das pessoas votará nela por mero interesse pessoal ou determinação do partido, mandando para as calendas a manutenção da ordem democrática, o respeito aos valores fundantes da sociedade e a brutalidade usada por esta gente para não abrir mão do poder.
Temos que botar na cabeça que uma ditadura não existe só quando um Militar dá um golpe de estado e passa a governar com uma chibata na mão para perseguir os opositores. Hoje as ditaduras são bem mais sutis e nos pegam nos pequenos atos…
Entendo, por fim, que caso Dilma e o PT vençam, será a vitória do oportunismo, do clientelismo, do ódio e do autoritarismo, em detrimento dos valores, da democracia e do desapego dos interesses pessoais em favor da manutenção de um ambiente de paz na nação.
Depois não reclamem…
Antes de escolher seu Presidente, visite os endereços abaixo do youtube:


CÁLICE.wmv


Pai, Afaste de mim este cálice!



DILMA - A DAMA DE VERMELHO.wmv


Brasil do Lulla (O FILHO DO BRASIL - TRAILLER)





As trombetas anunciam perigo à vista!!

Por ...


Em seminário promovido pelo Instituto Millenium em SP, representantes dos principais veículos de comunicação do país afirmaram que o PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia. Eles acreditam que se Dilma for eleita o stalinismo será implantado no Brasil. "Então tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois", sentenciou Arnaldo Jabor. Se algum estudante ou profissional de comunicação desavisado pagou os R$ 500,00 que custavam a inscrição do 1º Fórum Democracia e Liberdade de Expressão, organizado pelo Instituto Millenium, acreditando que os debates no evento girariam em torno das reais ameaças a esses direitos fundamentais, pode ter se surpreendido com a verdadeira aula sobre como organizar uma campanh a política que foi dada pelos representantes dos grandes veículos de comunicação nesta segunda-feira, em São Paulo.
 
Promovido por um instituto defensor de valores como a economia de mercado e o direito à propriedade, e que tem entre seus conselheiros nomes como João Roberto Marinho, Roberto Civita, Eurípedes Alcântara e Pedro Bial, o fórum contou com o apoio de entidades como a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), ANER (Associação Nacional de Editores de Revista), ANJ (Associação Nacional de Jornais) e Abap (Associação Brasileira de Agências de Publicidade). E dedicou boa parte das suas discussões ao que os palestrantes consideram um risco para a democracia brasileira: a eleição de Dilma Rousseff.
 
A explicação foi inicialmente dada pelo sociólogo Demétrio Magnoli, que passou os últimos anos combatendo, nos noticiários e páginas dos grandes veículos, políticas de ação afirmativa como as cotas para negros nas universidades. Segundo ele, no início de sua história, o PT abrangia em sua composição uma diversidade maior de correntes, incluindo a presença de lideranças social-democratas. Hoje, para Magnoli, o partido é um aparato controlado por sindicalistas e castristas, que têm respondido a suas bases pela retomada e restauração de um programa político reminiscente dos antigos partidos comunistas.
 
"Ao longo das quatro candidaturas de Lula, o PT realizou uma mudança muito importante em relação à economia. Mas ao mesmo tempo em que o governo adota um programa econômico ortodoxo e princípios da economia de mercado, o PT dá marcha ré em todos os assuntos que se referem à democracia. Como contraponto à adesão à economia de mercado, retoma as antigas idéias de partido dirigente e de democracia burguesa, cruciais num ideário anti-democrático, e consolida um aparato partidário muito forte que reduz brutalmente a diversidade política no PT. E este movimento é reforçado hoje pelo cenário de emergência do chavismo e pela aliança entre Venezuela e Cuba", acredita.
 
"O PT se tornou o maior partido do Brasil como fruto da democracia, mas é ambivalente em relação a esta democracia. Ele celebra a Venezuela de Chávez, aplaude o regime castrista em seus documentos oficiais e congressos, e solta uma nota oficial em apoio ao fechamento da RCTV", diz.
 
A RCTV é a emissora de TV venezuelana que não teve sua concessão em canal aberto renovada por descumprir as leis do país e articular o golpe de 2000 contra o presidente Hugo Chávez, cujo presidente foi convidado de honra do evento do Instituto Millenium. Hoje, a RCTV opera apenas no cabo e segue enfrentando o governo por se recusar a cumprir a legislação nacional. Por esta atitude, Marcel Granier é considerado pelos organizadores do Fórum um símbolo mundial da luta pela liberdade de expressão - um direito a que, acreditam, o PT também é contra.
 
"O PT é um partido contra a liberdade de expressão. Não há dúvidas em relação a isso. Mas no Brasil vivemos um debate democrático e o PT, por intermédio do cerceamento da liberdade de imprensa, propõe subverter a democracia pelos processos democráticos", declarou o filósofo Denis Rosenfield. "A idéia de controle social da mídia é oficial nos programas do PT. O partido poderia ter se tornado social-democrata, mas decidiu que seu caminho seria de restauração stalinista. E não por acaso o centro desta restauração stalinista é o ataque verbal à liberdade de imprensa e expressão", completou Magnoli.
 
O tal ataque

Para os pensadores da mídia de direita, o cerco à liberdade de expressão não é novidade no Brasil. E tal cerceamento não nasce da brutal concentração da propriedade dos meios de comunicação característica do Brasil, mas vem se manifestando há anos em iniciativas do governo Lula, em projetos com o da Ancinav, que pretendia criar uma agência de regulação do setor audiovisual, considerado "autoritário, burocratizante, concentracionista e estatizante" pelos palestrantes do Fórum, e do Conselho Federal de Jornalistas, que tinha como prerrogativa fiscalizar o exercício da profissão no país.
 
"Se o CFJ tivesse vingado, o governo deteria o controle absoluto de uma atividade cuja liberdade está garantida na Constituição Federal. O veneno antidemocrático era forte demais. Mas o governo não desiste. Tanto que em novembro, o Diretório Nacional do PT aprovou propostas para a Conferência Nacional de Comunicação defendendo mecanismos de controle público e sanções à imprensa", avalia o articulista do Estadão e conhecido membro da Opus Dei, Carlos Alberto Di Franco.
 
"Tínhamos um partido que passou 20 anos fazendo guerra de valores, sabotando tentativas, atrapalhadas ou não, de estabilização, e que chegou em 2002 com chances de vencer as eleições. E todos os setores acreditaram que eles não queriam fazer o socialismo. Eles nos ofereceram estabilidade e por isso aceitamos tudo", lamenta Reinaldo Azevedo, colunista da revista Veja, que faz questão de assumir que Fernando Henrique Cardoso está à sua esquerda e para quem o DEM não defende os verdadeiros valores de direita. "A guerra da democracia do lado de cá esta sendo perdida", disse, num momento de desespero.
 
O deputado petista Antonio Palocci, convidado do evento, até tentou tranqüilizar os participantes, dizendo que não vê no horizonte nenhum risco à liberdade de expressão no Brasil e que o Presidente Lula respeita e defende a liberdade de imprensa. O ministro Hélio Costa, velho amigo e conhecido dos donos da mídia, também. "Durante os procedimentos que levaram à Conferência de Comunicação, o governo foi unânime ao dizer que em hipótese alguma aceitaria uma discussão sobre o controle social da mídia. Isso não será permitido discutir, do ponto de vista governamental, porque consideramos absolutamente intocável", garantiu.
 
Mas não adiantou. Nesta análise criteriosa sobre o Partido dos Trabalhadores, houve quem teorizasse até sobre os malefícios da militância partidária. Roberto Romano, convidado para falar em uma mesa sobre Estado Democrático de Direito, foi categórico ao atacar a prática política e apresentar elementos para a teoria da conspiração que ali se construía, defendendo a necessidade de surgimento de um partido de direita no país para quebrar o monopólio progressivo da esquerda.
 
"O partido de militantes é um partido de corrosão de caráter. Você não tem mais, por exemplo, juiz ou jornalista; tem um militante que responde ao seu dirigente partidário (...) Há uma cultura da militância por baixo, que faz com que essas pessoas militem nos órgãos públicos.. E a escolha do militante vai até a morte. (...) Você tem grupos políticos nas redações que se dão ao direito de fazer censura. Não é por acaso que o PT tem uma massa de pessoas que considera toda a imprensa burguesa como criminosa e mentirosa", explica.
 
O "risco Dilma"

Convictos da imposição pelo presente governo de uma visão de mundo hegemônica e de um único conjunto de valores, que estaria lentamente sedimentando-se no país pelas ações do Presidente Lula, os debatedores do Fórum Democracia e Liberdade de Expressão apresentaram aos cerca de 180 presentes e aos internautas que acompanharam o evento pela rede mundial de computadores os riscos de uma eventual eleição de Dilma Rousseff. A análise é simples: ao contrário de Lula, que possui uma "autonomia bonapartista" em relação ao PT, a sustentação de Dilma depende fundamentalmente do Partido dos Trabalhadores. E isso, por si só, já representa um perigo para a democracia e a liberdade de expressão no Brasil.
 
"O que está na cabeça de quem pode assumir em definitivo o poder no país é um patrimonialismo de Estado. Lula, com seu temperamento conciliador, teve o mérito real de manter os bolcheviques e jacobinos fora do poder. Mas conheço a cabeça de comunistas, fui do PC, e isso não muda, é feito pedra. O perigo é que a cabeça deste novo patrimonialismo de estado acha que a sociedade não merece confiança. Se sentem realmente superiores a nós, donos de uma linha justa, com direito de dominar e corrigir a sociedade segundo seus direitos ideológicos", afirma o cineasta e comentarista da Rede Globo, Arnaldo Jabor.
 
"Minha preocupação é que se o próximo governo for da Dilma, será uma infiltração infinitas de formigas neste país. Quem vai mandar no país é o Zé Dirceu e o Vaccarezza. A questão é como impedir politicamente o pensamento de uma velha esquerda que não deveria mais existir no mundo", alerta Jabor.
 
Para Denis Rosenfield, ao contrário de Lula, que ganhou as eleições fazendo um movimento para o centro do espectro político, Dilma e o PT radicalizaram o discurso por intermédio do debate de idéias em torno do Programa Nacional de Direitos Humanos 3, lançado pelo governo no final do ano passado.



E aí...façamos uma corrente do bem, com urgência, repassando para pelo menos 1.000 pessoas, listas de conhecidos, paróquias, movimentos, mesmo de outras religiões...
YouTube - Vídeos desse e-mail
Responder

Encaminhar




Nenhum comentário: